Segurança e um breve relato...




Um belo dia, depois do trabalho quando você chega em casa, quer lanchar e fazer aquela caminhada com seu companheiro canino, e percebe que há uma pequena movimentação na porta da sua casa, ouve algumas vozes e algumas rizadas. E você pensa o que será?

Essa expressão para se mendigar um passeio.

Então você abre uma pequena parte do portão e o feixe de luz deixa claro que há alguém beirando o padrão de energia da sua casa, você percebe a inquietação do seu cachorro quer dizer que “há algo errado aqui e agora”.

Então quando abri o portão para ver do que se tratava, em questão de segundos Sophie, atravessou a rua, como quase de costume, mas ao perceber o intruso na metade da rua, fez meia volta, fazendo com que o mesmo subisse em cima do muro.

Legal! Foi o que pensei, afinal, não é muito bacana parar de frente do padrão de luz da casa dos outros e ficar admirando. 


Ela pulava e latia, um latido grosso, feroz.
E escutei ainda do intruso: - Essa cachorra está doida.
Eu retruquei:- Doido é você que está no muro da casa dela.
Chamei Sophie de volta, prendi na guia e ele desceu, foi embora e nunca mais vi o intruso.

Comando dado; Senta


Pois bem, foi nesse dia que percebi o quão era boa a aliada que tinha para a segurança do meu castelo, o quão é aguçado seus sentidos, e mais ainda, aquela percepção que os cães tem sobre coisas erradas.

Embora não indique a ninguém sair com seu cão sem a guia, eu tenho costume de fazer isso, devido a pouca movimentação, assim Sophie corre livre para cheirar e marcar seu território, e vez ou outra colocar intrusos em cima do muro.

Sophie, a Sentinela.


Cães , sempre em alerta.

Saulo Mazagão 




Notas: Cachorro, tendem a defender e guardar extensões de territórios da “matilha”.
Cachorras, tendem a defender e guardar as pessoas de sua “matilha”.
Então o cão percebe o humano como um outro cachorro? A resposta é sim.


Nenhum comentário :

Postar um comentário